Bem vindo à Oncologia-EuSaúde
A Rede Onco Vida foi idealizada para reunir pacientes, parentes, amigos médicos, profissionais e toda a comunidade interessada nas políticas de prevenção e tratamento do câncer.
Junte-se a nós e compartilhe suas dúvidas, experiências e contribua para o crescimento da Rede.
Registrar-se é muito fácil, basta preencher os campos para obter a sua nova conta.
Crie a sua conta
Bem vindo à Oncologia-EuSaúde
Veja o que outras pessoas como você estão comentando na nossa comunidade.
Atualize o seu perfil, interaja com outras pessoas no seu mural e registre a evolução do seu tratamento e o seu estado de saúde.
 
Última atualização: quinta-feira, 31 de março de 2016 14:25:12
cendithe@gmail.com Atualizado em 21 de novembro de 2014 Câncer

Câncer de tiróide e propedêutica de nódulos tireoidianos

Os nódulos tireoidianos são 4 vezes mais comuns em mulheres do que em homens. Os nódulos palpáveis aumentam em freqüência durante a vida atingindo a prevalência de 5% em indivíduos acima de 50 anos. Os nódulos podem ser detectados pelo paciente, no exame médico de rotina ou serem achados incidentais na realização de exames de imagem da região do pescoço como ultrassom de carótidas, tomografias ou PET/CT. Eles são encontrados numa freqüência ainda maior quando a glândula tireoidiana é examinada em autópsia, cirurgia ou quando se utiliza ultrassonografia; 50% das tireóides examinadas têm nódulos que são quase sempre benignos. Novos nódulos se desenvolvem a uma taxa de cerca de 0,1% ao ano desde o começo da vida mas eles se desenvolvem numa taxa ainda maior (cerca de 2% ao ano) se ocorre exposição à radiação na região de cabeça e pescoço.

            Por outro lado o câncer de tireóide é raro. Assim como os nódulos tireoidianos são mais freqüentes em mulheres os cânceres também são detectados 2 a 3 vezes mais comumente em mulheres que homens. Há um aumento da incidência a cada ano sendo o carcinoma de tireóide a quinta neoplasia mais freqüentemente diagnosticada em mulheres brasileiras correspondendo a um total de 8.050 casos em 2014. Em pessoas com idade entre 15 a 24 anos o carcinoma de tireóide corresponde a 7,5 a 10% das neoplasias. Embora o câncer de tireóide possa ocorrer em qualquer idade, o pico de incidência é por volta de 49 anos.

            Os principais tipos histológicos de carcinoma de tireóide incluem: 1) diferenciado (incluindo papilar, folicular e Hürtle); 2) medular e 3) anaplásico (tumor agressivo não diferenciado).

            De uma forma geral a maioria dos pacientes pode ser curada quando apropriadamente tratada. O tratamento de escolha é cirurgia, sempre que possível seguido por iodo radioativo 131 I em pacientes selecionados e terapia com tiroxina na maioria dos pacientes.

Câncer de Tireóide induzido por radiação

            Exposição à radiação ionizante é a única causa ambiental desencadeante de  carcinoma de tireóide e usualmente causa carcinoma do tipo papilar. As glândulas tireoidianas em crianças são particularmente sensíveis à radiação. Fato esse constatado após o acidente no reator nuclear de Chernobyl em 1986, pois muitas crianças desenvolveram carcinoma papilar de tireóide no seguimento daquelas expostas ao iodo radiativo 131I .

Como proceder diante de um nódulo tireoidiano

            Em um paciente com nódulo tireoidiano o primeiro passo é medir o nível de hormônio estimulador de tireóide TSH e realizar ultrassom da tireóide e pescoço; todos os nódulos (mesmo os achados incidentais) devem ser avaliados, assim como a presença de linfonodos na região.

São considerados nódulos suspeitos aqueles cujos níveis de TSH sejam elevados. Ao ultrassom as características que podem indicar fortemente malignidade são: microcalcificações, bordas irregulares, e aumento da vascularização interna. A partir de alterações suspeitas nesses exames deve-se proceder à biópsia por agulha fina. Os nódulos que não apresentarem essas características, mas forem acima de 1 cm devem ser biopsiados. Os nódulos que não se enquadrem acima podem ser acompanhados com ultrassom periódico inicialmente a cada 6 a 12 meses.

Embora 50% dos nódulos malignos sejam assintomáticos a probabilidade pré-teste de malignidade em um nódulo aumenta consideravelmente quando sinais e sintomas estão presentes. Por exemplos, a chance de um nódulo tireoidiano se tratar de câncer aumenta cerca 7 vezes se: estiver muito endurecido, aderido a estruturas adjacentes (vasos,músculo), apresentar crescimento rápido, for associado ao aumento de linfonodos regionais, causar paralisia de cordas vocais ou, se os sintomas de invasão em estruturas do pescoço estiverem presentes. História familiar de câncer de tireóide também aumenta a chance de malignidade. Se duas ou mais dessas características estiverem presentes, previamente ao teste, a probabilidade de se tratar de câncer de tireoide é quase certa.

Saiba mais sobre este assunto tirando suas dúvidas com os profissionais de saúde em nossa rede social. Clique aqui e acesse agora mesmo.

Publicado em 18 de novembro de 2014 Atualizado em 21 de novembro de 2014
Comentários desta publicação